Últimas Notícias
 

Produtos financeiros são alternativa para quem quer investir em imóveis

 

Fundos imobiliários, Letras Hipotecárias e Letras de Crédito Imobiliário oferecem rentabilidade semelhante à da renda fixa

O Estado de São Paulo
Roberta Scrivano
26/07/2010

 

O bom momento do mercado imobiliário nacional tem despertado o apetite de investidores pelo setor. Com o cenário positivo, especialistas em finanças pessoais recomendam que o foco não fique somente no imóvel físico.

A indicação é que o investidor atente para opções que podem ser mais vantajosas. Entre elas estão os fundos imobiliários, as letras hipotecárias (LH) e as letras de crédito imobiliário (LCI).

"Fundos imobiliários, LH e LCI são investimentos para o longo prazo", alerta Alcides Leite, professor de economia da Trevisan Escola de Negócios. "São boas opções para a diversificação da carteira", emenda.

Os três ativos alternativos estão no quesito renda fixa e, entre eles, o mais recomendado pelos especialistas consultados pela reportagem é o fundo imobiliário. "Você se torna sócio de um grande empreendimento, como o shopping Pátio Higienópolis", exemplifica Sérgio Belleza, da Fundo Imobiliário Consultoria de Investimentos.

O fundo do Higienópolis é um dos 30 que estão listados na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). "O modo de negociar é exatamente igual ao das ações", diz. Isso quer dizer que quem quiser investir precisa abrir uma conta em uma corretora - de preferência especializada neste ramo, segundo Belleza - para comprar as cotas.

Cada fundo tem as suas características, mas, de acordo com o consultor, algumas são unânimes. "Todo mês o fundo te remunera de acordo com o rendimento fixo do empreendimento que compõe a carteira."

Na prática, isso significa que, no caso de um fundo em que a carteira seja formada por um prédio comercial, o rendimento fixo é o aluguel das salas e do estacionamento. "Se estão alugadas, um porcentual disso vai para os cotistas do fundo", esclarece.

No caso de shoppings, Belleza lembra que, em épocas específicas, como o Natal, o aluguel das lojas pode até dobrar. "Consequentemente, a rentabilidade do fundo aos cotistas dobra também", observa.

Na comparação com a rentabilidade de um imóvel físico, diante das atuais características do mercado, no entanto, o fundo perde, segundo Fábio Colombo, administrador de investimento. "Mas, para quem não tem capital suficiente para comprar um imóvel, essa informação é irrelevante", completa o especialista.

EM VEZ DE UM IMÓVEL FÍSICO...

1.Fundos imobiliários
Administrado por uma instituição financeira, o empreendimento imobiliário ou parte dele é construído com o dinheiro dos investidores que aplicam no fundo. Opções como shoppings, flats, hospitais e prédios comerciais são maioria na composição das carteiras. O rendimento para o investidor pode vir do pagamento de aluguéis ou da valorização da cota comprada pelos participantes do fundo.

2.Letras Hipotecárias
São aplicações em títulos de crédito de renda fixa remunerados pela TR ou por um porcentual de CDI (juro de referência do mercado financeiro, que acompanha a taxa Selic ), emitidos por instituições financeiras que atuam na concessão de financiamentos habitacionais. São indicadas para investidores com perfil conservador, porque combinam risco baixo e rentabilidade. É isenta de Imposto de Renda.

3.Letras de Crédito Imobiliário
São títulos de crédito imobiliário garantidos por hipoteca ou por alienação de imóveis. Também são indicados por especialistas para quem tem perfil conservador, por se tratar de um ativo de renda fixa, sem riscos exagerados. A Caixa Econômica, maior ofertante de crédito imobiliário, está no topo das ofertas de LCIs.

Veja a notícia em www.estadao.com.br